CERATOCONE

[vc_row][vc_column][vc_row_inner][vc_column_inner css=”.vc_custom_1476383963683{background-image: url(http://americasoftalmocenter.com/wp-content/uploads/2016/10/convenios-olhos.png?id=1459) !important;background-position: center !important;background-repeat: no-repeat !important;background-size: cover !important;}”][vc_column_text]

 DOENÇAS OCULARES

[/vc_column_text][/vc_column_inner][/vc_row_inner][vc_row_inner][vc_column_inner width=”4/6″][vc_separator style=”double” border_width=”4″][vc_column_text]

CERATOCONE

O Ceratocone é uma doença não inflamatória da córnea, ocasionada por uma mudança estrutural que provoca um afinamento e um formato cônico.
É a distrofia corneana mais comum. Inicia-se de maneira insidiosa, geralmente na adolescência, com evolução progressiva, mas não existe um padrão que possa ser adotado.

A evolução do ceratocone é observada até os 30 a 40 anos de idade. Afeta tanto homens quanto mulheres e em 90% dos casos é bilateral, no entanto de acometimento assimétrico (o diagnóstico do segundo olho ocorre cerca de 5 anos após o diagnóstico do primeiro). A incidência na população geral varia de 0,05 % a 0,5 % e sua etiologia ainda não é bem esclarecida.

Algumas fontes sugerem que o ceratocone provavelmente surge de um número de diferentes fatores: genético, ambiental ou celular.
Há estudos que também associam o ceratocone ao ato de coçar os olhos. Isso pode causar o afinamento da córnea devido à remoção mecânica de células do epitélio corneano. Uma ocorrência conhecida atualmente é o ceratocone induzido pós-cirurgia refrativa, chamada de ectasia induzida pós-lasik.

Pode haver uma predisposição do paciente, não observada antes da cirurgia, que seja a causa do desenvolvimento do ceratocone nesses casos.
Pode estar associado a doenças sistêmicas como a síndrome de Down, síndrome de Turner, síndrome de Ehlers-Danlos e síndrome de Marfan, além de quadros alérgicos, osteogênese imperfeita e prolapso da válvula mitral. Os sintomas são variáveis de acordo com a evolução da doença.

Nos estágios precoces, as queixas são semelhante a dos pacientes portadores de ametropias (miopia, hipermetropia e astigmatismo). Geralmente, estes pacientes têm modificações freqüentes no grau dos seus óculos em curto período de tempo e, além disso, mesmo de óculos não relatam uma visão satisfatória. As refrações (exames de grau) são freqüentemente variáveis e inconsistentes.

Com a progressão da doença, a visão deteriora, muitas vezes rapidamente.
A acuidade visual se torna prejudicada em todas as distâncias e a visão noturna é freqüentemente fraca. Algumas pessoas possuem visão em um olho pior que no outro olho.
Alguns desenvolvem fotofobia (sensibilidade à luz forte), cansaço por forçar os olhos durante a leitura ou coceira no olho.
Entretanto, normalmente há pouca ou nenhuma sensação de dor. O sintoma clássico do ceratocone é a percepção de sombras nas imagens, conhecidas como poliopia.

O diagnóstico é feito pelo exame oftalmológico através de retinoscopia, biomicroscopia e topografia corneana. Outros exames como o Pentacam, Orbscan, Tomografia da córnea podem auxiliar no diagnóstico. As opções de tratamento variam de acordo com o grau da doença e acuidade visual, visando sempre proporcionar uma boa visão ao paciente, bem como garantir seu conforto na utilização dos recursos que serão empregados (óculos, lentes de contato, cirurgias) e principalmente preservar a saúde da córnea. As alternativas de tratamento sempre são avaliadas nesta ordem: óculos, lentes de contato, lentes de contato especiais e cirurgias.

O uso dos óculos está indicado até que o paciente não obtenha mais acuidade visual satisfatória com os mesmos, neste momento optamos pelo uso de lentes de contato. A adaptação de lentes de contato no ceratocone deve ser feita por profissionais experientes que possam dar o devido acompanhamento e orientação ao paciente, bem como a indicação dos tipos mais indicados para cada um.
Caso as lentes não estejam mais proporcionando boa visão é hora de indicar os procedimentos cirúrgicos.

A escolha do procedimento cirúrgico mais adequado está associada ao estágio em que se encontra o ceratocone. Atualmente, as técnicas cirúrgicas são o Crosslinking, Implante de anel intra- estromal corneano com laser fentosegundo, Ceratoplastia lamelar profunda e a Ceratoplastia penetrante com laser fentosegundo (Transplante de córnea).

Existe, ainda, a opção de usar uma técnica combinada. Cerca de 5 a 10% dos casos de ceratocone evoluem a ponto de que a única alternativa de tratamento seja o transplante de córnea (ceratoplastia penetrante). www.apabo.com.br – Associação Pan-Americana de Banco de Olhoswww.bos.org.br/bos_novo/bos/bos.php – site do banco de olhos de Sorocaba .[/vc_column_text][/vc_column_inner][vc_column_inner width=”1/4″][vc_separator style=”double” border_width=”4″][vc_column_text]

CalázioCeratocone – Observe a forma cônica (ponteaguda) da córnea

[/vc_column_text][/vc_column_inner][vc_column_inner][/vc_column_inner][vc_column_inner][/vc_column_inner][/vc_row_inner][/vc_column][/vc_row]